Pular para o conteúdo principal

Poesia Com Tons de Azul


Sem mais,

Sem menos,

E sem porquê.

Ela me visita e dá às rosas

Do meu coração

O orvalho de um novo amanhecer.


Eu vejo um sol que ilumina,

Mas não sinto seu calor,

E, em meio a chuva de verão,

Os lagos não transbordaram.


As palavras de amor emolduradas,

Não se transformam em abraços,

E mesmo em meio a tanta gente amiga,

ninguém acompanha meus passos.


Ela sempre vai embora,

Mas, sempre volta também,

Tanto que em meu coração,

Quarto arrumado ela tem.


Forever


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No Aqueronte

Às margens do Aqueronte, Um óbolo nos lábios, As águas não se revolvem: É o fim do rio.
Dom de Ancião, Ou Dom de Quixote, Sabê-lo agora é a diferença Entre Baco e Dionísio.
Tal qual Perséfone, Meu coração e sentimentos. À a deusa, Olimpo, Ao Poeta, Submundo.















Hail Hiena

A garbosa Hiena traja-se da túnica amarela, Lambusada porém, de sua ofidiosa saliva, Que desesperadas apegam-se ao pano Para não caírem ao chão ante uma ou outra gargalhada em meio aos gracejos da zombeteira.
As palavras já caíram ao chão, porém, Suas cabeças deslevalas de capacete, Já ofereceram traumas que certos crânios, Jamais esquecerão.
O gringo, gringou!! Não para de gritar!! Hiena, to the left! Hiena, to the left! Hail Hiena! E o público, sem juízo, regozija! Mas, convenhamos, qualquer um que tenha juízo, Se afasta de quem fala cuspindo e gargalhando.


Pax et Bonum

Quem quiser falar de mim,
Tome minha cruz,
Tome meu cálice
E vinde após mim.

Calce as sandálias dos meus pés,
Experimente minhas vestes.

Lave-se,
Remova o argueiro,
Mas,não queira empunhar o martelo.

Sua natureza é a minha,
Filhos de YHVH,
Eternos como Yeshua Hamashiach.

Pax et Bonum