Pular para o conteúdo principal

A fé na vida

A fé na vida
Transforma a tempestade
Em oportunidade
E sara a ferida.

Não dá pra ter medo
Sabendo que não há tarde, não há cedo,
Mas o tempo da lida.

Sabemos, se o mar calmo se agita,
A tempestade lhe incita,
Mas sua natureza calma prevalecerá.

E se vier medo, do mal e da morte,
Creiamos em Deus nosso suporte,
Que nos fortalecerá.

A morte é somente uma passagem,
Não há fim, só uma viagem,
Que nos esclarecerá.

À Espera do Futuro Que Não Vem

À espera do futuro que não vem,

Marcha soldado sem sair do lugar,

Saiba você que ninguém

Tem o poder de te ajudar.


O que você vai fazer,

Será que você quer realmente morrer?


O que você vai fazer,

Viver nesse museu, admirando os erros que te fazem sofer?


Fulano apontou seus erros

E você quantas vezes se deprecia em seus segredos.


O mundo é pra você o reflexo do seu interior

Um espectro do passado a te rondar,

Você sabe sentir dele o pavor, 

Mas, não sabe o que fazer pra mudar.


E eu digo,

Onde diabos está sua cabeça

É muito cedo pra que você esqueça

Coisas ditas todos os dias pelos seus amigos.


E então, será que eles estão fazendo sua cabeça?

Não seus amigos, mas, as pessoas que você odeia,



Você presta tanta atenção

Presta tanta atenção

Em gente que não presta.


Você vive na contramão,

Vive na contramão

De tudo que prega.


Hipócrita

Por acidente,

Queria ser santo,

Mas, dessas coisas não entende.


Calma calma

Todo mundo chega lá

Lava sua alma

Põe pra pendurar

Limpa e seca já não pesa.


O peso da vida

O peso da vida

Já foi o suficiente,

Liberte sua mente

dessa merda midiática.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pax et Bonum

Quem quiser falar de mim,
Tome minha cruz,
Tome meu cálice
E vinde após mim.

Calce as sandálias dos meus pés,
Experimente minhas vestes.

Lave-se,
Remova o argueiro,
Mas,não queira empunhar o martelo.

Sua natureza é a minha,
Filhos de YHVH,
Eternos como Yeshua Hamashiach.

Pax et Bonum



No Aqueronte

Às margens do Aqueronte, Um óbolo nos lábios, As águas não se revolvem: É o fim do rio.
Dom de Ancião, Ou Dom de Quixote, Sabê-lo agora é a diferença Entre Baco e Dionísio.
Tal qual Perséfone, Meu coração e sentimentos. À a deusa, Olimpo, Ao Poeta, Submundo.















Hail Hiena

A garbosa Hiena traja-se da túnica amarela, Lambusada porém, de sua ofidiosa saliva, Que desesperadas apegam-se ao pano Para não caírem ao chão ante uma ou outra gargalhada em meio aos gracejos da zombeteira.
As palavras já caíram ao chão, porém, Suas cabeças deslevalas de capacete, Já ofereceram traumas que certos crânios, Jamais esquecerão.
O gringo, gringou!! Não para de gritar!! Hiena, to the left! Hiena, to the left! Hail Hiena! E o público, sem juízo, regozija! Mas, convenhamos, qualquer um que tenha juízo, Se afasta de quem fala cuspindo e gargalhando.