Pular para o conteúdo principal

A fé na vida

A fé na vida
Transforma a tempestade
Em oportunidade
E sara a ferida.

Não dá pra ter medo
Sabendo que não há tarde, não há cedo,
Mas o tempo da lida.

Sabemos, se o mar calmo se agita,
A tempestade lhe incita,
Mas sua natureza calma prevalecerá.

E se vier medo, do mal e da morte,
Creiamos em Deus nosso suporte,
Que nos fortalecerá.

A morte é somente uma passagem,
Não há fim, só uma viagem,
Que nos esclarecerá.

Mea Culpa

A gente peca pelo excesso
Falo por experiência,
Isso nos faz ficar possessos
Quando não leva à demência.

E quando se para pra refletir
Descobre a verdade
Por trás do sentir
Tanta animosidade.

Nós nos agarramos
À uma face da verdade
Quando esquecemos
Da sua multiplicidade.

Conceito mais relativo
E difícil de se perceber
O quanto é altivo
Impor minha verdade pra você.

O Buda nos alerta
Sobre o caminho do meio
Talvez a coisa mais esperta,
Talvez pra isso a gente veio.

Nesse acirrar de ânimos
Não vou me preocupar
Com conhecidos ou estranhos
Que possam me odiar.

É que quando eu pequei pelo excesso,
Não quis deixar ninguém pocesso
Mas, sei que no processo
Eu magoei,
E sim eu errei
E já me perdoei.

A gente está aqui pra isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pax et Bonum

Quem quiser falar de mim,
Tome minha cruz,
Tome meu cálice
E vinde após mim.

Calce as sandálias dos meus pés,
Experimente minhas vestes.

Lave-se,
Remova o argueiro,
Mas,não queira empunhar o martelo.

Sua natureza é a minha,
Filhos de YHVH,
Eternos como Yeshua Hamashiach.

Pax et Bonum



No Aqueronte

Às margens do Aqueronte, Um óbolo nos lábios, As águas não se revolvem: É o fim do rio.
Dom de Ancião, Ou Dom de Quixote, Sabê-lo agora é a diferença Entre Baco e Dionísio.
Tal qual Perséfone, Meu coração e sentimentos. À a deusa, Olimpo, Ao Poeta, Submundo.















Hail Hiena

A garbosa Hiena traja-se da túnica amarela, Lambusada porém, de sua ofidiosa saliva, Que desesperadas apegam-se ao pano Para não caírem ao chão ante uma ou outra gargalhada em meio aos gracejos da zombeteira.
As palavras já caíram ao chão, porém, Suas cabeças deslevalas de capacete, Já ofereceram traumas que certos crânios, Jamais esquecerão.
O gringo, gringou!! Não para de gritar!! Hiena, to the left! Hiena, to the left! Hail Hiena! E o público, sem juízo, regozija! Mas, convenhamos, qualquer um que tenha juízo, Se afasta de quem fala cuspindo e gargalhando.