Pular para o conteúdo principal

A fé na vida

A fé na vida
Transforma a tempestade
Em oportunidade
E sara a ferida.

Não dá pra ter medo
Sabendo que não há tarde, não há cedo,
Mas o tempo da lida.

Sabemos, se o mar calmo se agita,
A tempestade lhe incita,
Mas sua natureza calma prevalecerá.

E se vier medo, do mal e da morte,
Creiamos em Deus nosso suporte,
Que nos fortalecerá.

A morte é somente uma passagem,
Não há fim, só uma viagem,
Que nos esclarecerá.

Uma grande saudade

Gota de orvalho cai na flor,
Lembram as lagrimas de amor
Que derramo sobre sua fotografia,
Quando eu recordo o que a gente vivia.

Uma grande saudade
Toma conta de mim
Mas, eu sinto de verdade
Sua presença, simples assim.

Você não ficou naquele carro amassado
E nem naquela cama de hospital,
O país que você tem habitado,
Visito toda noite, de forma espiritual.

E você me visita, sempre
Por que um dia a gente prometeu,
Nem preciso pedir para que lembre
O "For Ever", os dedos mindinhos e o que aconteceu.

Dos meus dias você é a melhor lembrança,
Tudo que eu não quero esquecer,
A minha melhor esperança,
Um dia ao longe te reconhecer.

Quero correr pros seus braços,
Encher-te de beijos e carinhos,
Os meus melhores abraçoss,
Ternuras e aninhos.

O nosso "For Ever"
Está só no início,
Eu deixo que a vida me leve,
Ela sempre tem um artifício,
Pra a gente se ver em breve.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pax et Bonum

Quem quiser falar de mim,
Tome minha cruz,
Tome meu cálice
E vinde após mim.

Calce as sandálias dos meus pés,
Experimente minhas vestes.

Lave-se,
Remova o argueiro,
Mas,não queira empunhar o martelo.

Sua natureza é a minha,
Filhos de YHVH,
Eternos como Yeshua Hamashiach.

Pax et Bonum



No Aqueronte

Às margens do Aqueronte, Um óbolo nos lábios, As águas não se revolvem: É o fim do rio.
Dom de Ancião, Ou Dom de Quixote, Sabê-lo agora é a diferença Entre Baco e Dionísio.
Tal qual Perséfone, Meu coração e sentimentos. À a deusa, Olimpo, Ao Poeta, Submundo.















Hail Hiena

A garbosa Hiena traja-se da túnica amarela, Lambusada porém, de sua ofidiosa saliva, Que desesperadas apegam-se ao pano Para não caírem ao chão ante uma ou outra gargalhada em meio aos gracejos da zombeteira.
As palavras já caíram ao chão, porém, Suas cabeças deslevalas de capacete, Já ofereceram traumas que certos crânios, Jamais esquecerão.
O gringo, gringou!! Não para de gritar!! Hiena, to the left! Hiena, to the left! Hail Hiena! E o público, sem juízo, regozija! Mas, convenhamos, qualquer um que tenha juízo, Se afasta de quem fala cuspindo e gargalhando.